A Casa

 (Imagem: Link)


Enfeitamos as mentes e os corações com promessas imaginárias que teimamos em manter vivas,

mas estamos mortos há tempo demais, já nos esquecemos do que significa a felicidade,

dela já não sabemos extrair sorrisos que cheguem para continuar a enganar os tolos,

de nós nada resta senão meia dúzia de rabiscos num muro qualquer, votado ao abandono,

às intempéries, à solidão...

Que queremos, agora que por entre as frestas de uma casa em ruínas mais não espreitam senão as mágoas de um passado de tormentos,

a dor persistente das traições,

o vazio de um amor que nunca nos permitimos viver?

A vã esperança de um futuro sem projecto, sem alicerces,

ou um gesto de ternura que nos relembre: "you matter"?

Sei lá eu, talvez tu saibas, mas não posso de forma alguma pergunta-to. 

Talvez no dia em que te apercebas de que certos caminhos só podem ser percorridos a dois,

e que essa metade que te falta sempre esteve aqui, à tua espera,

a espreitar,

(por entre as frestas das janelas dessa casa onde nunca entraste, por mais que soubesses onde se encontrava)

de braços abertos, inocentes, sonhadores...

Maybe then, I'll still be here.

With my distorted sights... Alone and benighted by my frights...


We're Not There

 (Imagem: Link)



Camaleões emocionais que somos, podíamos ao menos ter nascido com a resistência e a capacidade de adaptação desses nossos irmãos irracionais, mas não.

Somos mais frágeis que os ramos secos de uma árvore à mercê das tempestades da vida, incapazes de lhe resistir, incapazes

de saborear as pequenas acalmias que nos vão sendo proporcionadas, 

aqui e ali. 

Aqui. 

Estás tão perto, que aqui ao longe me pareces inalcançável - os meus dedos teimosos querem agarrar-te, mas este coração cansado já não tem força suficiente para bombear esperança que chegue para manter vivo um corpo que há muito clama pelo seu descanso final.

Estás longe, e eu aqui tão perto sempre esperei por ti - em vez de te procurar, como devia ter feito. Será tarde demais para remediar tão imperdoável falha?

Estou já demasiado longe de mim para pensar com clareza. Foram tantas as vezes em que estendi o braço em busca de um abraço tranquilizador, em busca do ombro que sempre disponibilizei para os outros... 

Nunca o tive. Se calhar não gritei suficientemente alto,

mas está já demasiado gasta e trémula esta voz, não creio que ainda seja capaz de chegar aí, 

tão longe...

Tão longe...